Karla Souza se junta a inúmeras mulheres

Karla Souza, que interpreta Laurel Castillo em How to Get Away with Murder, criou coragem para falar sobre a época em que foi sexualmente abusada e agredida por um diretor de cinema. A atriz contou para CNN en Español, na última terça-feira (20), que foi estuprada ainda no início de sua carreira.

Souza contou para Carmen Aristegui que tudo aconteceu quando ela estava gravando um filme no México. No entanto, ela se negou a dizer o nome do diretor. Ela começou a perceber algo diferente quando o diretor começou a bater na porta de seu quarto em horários suspeitos. Para piorar, ela revela que estava num hotel com o diretor estavam hospedados.

Ele bateu na minha porta dizendo que queria rever algumas cenas e eu pensei: ‘É duas da madrugada. Não é apropriado, além de ser algo que não deveria acontecer’, ela disse. Karla contou que o diretor insistiu e voltou a bater em sua porta, mas quando ela se negou a abri-la, ele “decidiu não gravar mais as minhas cenas e, de repente, começou a me humilhar na frente do elenco quando estávamos no set”.

Foi este controle psicológico que ele tinha sobre mim”, ela acrescentou. Karla disse que depois de um mês lutando contra o “total abuso de poder” que o diretor tinha, ela sentiu que não havia nada a ser feito a não ser “ceder”.

Fui forçada a ceder. ‘Eu o deixei’ me beijar, me tocar de maneiras que eu definitivamente não queria que ele tocasse e, em uma dessas vezes, ele me atacou violentamente e sim, ele me estuprou”, Karla contou enquanto secava suas lágrimas.

Karla se junta a um grande número de homens e mulheres na indústria a falar sobre experiências traumáticas. O movimento já derrubou homens poderosos de diversas áreas, do entretenimento até a política.

Por Lucas Vinícius